domingo, 16 de fevereiro de 2014

Cobra na beira da estrada

Poucos meses depois de ter encontrado o sardão em casa, já em pleno verão, encontrei um outro réptil, este bem mais desconhecido para mim, pois pouco ou nada sei sobre espécies de cobras.
Quando subia a pé, a rua da casa dos meus pais, ouvi rugir por entre as ervas e fiquei alerta e fui de encontro ao sítio de onde vinha o barulho e de imediato deparo-me com uma cobra escondida, por entre a vegetação da beira da estrada e o muro. Lá vou eu a correr a casa dos meus pais, que estaria a uns cem metros de distância, e volto rapidamente com a máquina fotográfica na mão, e a bicha lá continuou à minha espera!






Fazendo fé na indicação que me deram num fórum da especialidade, trata-se de uma Cobra-de-água-de-colar (Natrix Natrix), espécie bastante comum no território português. Não sei precisar, mas este exemplar já tinha um bom tamanho. Pesquisando sobre esta espécie, fiquei a saber que pode atingir cerca de dois metros, e é (como a maioria das cobras em Portugal) totalmente inofensiva para o homem. Na minha presença esteve, aparentemente, sempre calma, e não demonstrou qualquer postura agressiva, mesmo tendo-me aproximado bastante, sempre na busca pelo melhor ângulo para a fotografar. 





1 comentário: